Comitê Municipal Intersetorial de Saúde Mental
sexta, 29 de maio de 2020


O Comitê Municipal Intersetorial de Saúde Mental de Dois Vizinhos, destina algumas palavras de reflexão à população duovizinhense:

Neste contexto de isolamento, distanciamento social, mudanças econômicas, em decorrência de um vírus devastador que se espalhou pelo mundo e nos colocou frente essas e tantas outras mudanças e incertezas. A situação é complexa e tudo o que vemos e vivemos é a luta diária pela sobrevivência, onde garantir a saúde física e mental se sobressaem em uma lista de prioridades, que até então talvez não eram evidenciadas em nosso cotidiano, talvez pelo ritmo desacerbado de uma rotina de trabalho e outros afazeres, olhar para si e para o outro não fazia parte dos hábitos mecânicos que dessa rotina, que isso sim ousamos de chamar de loucura. Então com o frear dos passos por conta de novas rotinas a serem estabelecidas, nos percebemos frente a um espelho e a imagem nítida de si mesmo faz lembrar que somos humanos e que a humanidade está em risco.

Dentre tantos porquês, surgem as estratégias de sobrevivência e percebemos que é imprescindível cuidar! Cuidar de si, de nossa saúde física e mental, cuidar de nossas emoções, cuidar do ser humano frente ao espelho que precisa ser percebido em um todo, que necessita do cuidado integral e cuidar de si nunca deveria ter sido o último plano.

 

MAS COMO MANTER A SAÚDE MENTAL EM TEMPOS ASSIM?

Muitas vezes o cuidado ultrapassa o desejo de cuidar-se, e passa a ser compartilhado. Ou seja, em determinados momentos podemos não saber por onde seguir e precisamos somar ao nosso cuidado o trabalho de pessoas, profissionais que nos auxiliam caminhar nessa corda bamba. Aqui citamos os principais serviços disponíveis para toda a população.

 

ONDE POSSO PROCURAR AJUDA OU CANAIS DE AJUDA?

-DISQUE 188 CVV

-DISQUE ATENDIMENTO PSICOLÓGICO

-SECRETARIA DE SÁUDE (46) 3581-5700

- CAPS (46) 3536-6645

Dentre tantos serviços disponíveis nesse momento de pandemia, listamos aqui alguns.

A chave da questão: https://www.facebook.com/achavedaquestaoo/

https://www.instagram.com/achavedaquestaoo/?hl=pt-br

Grupo Centro de Valorização da Vida:

www.cvv.org.br

MAIO MÊS DE LUTA

Em meio a luta contra o corona vírus, lembramos que o mês de maio é um mês marcado por outras lutas que diz respeitam à vida, citamos aqui o 18 de maio, dia carregado de compromisso pela garantia dos direitos marcado pela campanha de combate ao abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes e data esta que também levantamos a bandeira da LUTA ANTIMANICOMIAL, que nos remete à reflexão do tema SAÚDE MENTAL.

Ser forçado a mudar sua rotina, incomoda?

Estar “trancado” dentro de casa, incomoda?

Não poder ver ou tocar as pessoas que você tanto preza, incomoda?

Imagine o seguinte cenário: uma instituição, sua casa, longe de ser um lar, longe do afeto e do cuidado integral, longe da garantia do direito à vida digna, longe de ser gente, onde o modelo retrogrado de tratamento é desumano juntamente porque te tira qualquer perspectiva de mudança, te impede de ver ou tocar as pessoas que você tanto preza, você está condenado a “viver” trancado, impedido de manifestar suas dores- as dores de sua alma- passando maior parte do tempo sobre o efeito de drogas psicoativas, sem um atendimento digno, sem o convívio social, sem trabalho, sem família, sem amores, sem identidade.

Isso incomoda?

Pois lugares assim existiram, e com advento do movimento sanitário no Brasil nasceu a Reforma Psiquiátrica, que traz em sua proposta a mudança desse modelo que institucionalizava os indivíduos acometidos por transtornos mentais e passa a ofertar os serviços de atenção psicossocial, possibilitando ao indivíduo, paciente ao tratamento adequado a sua condição de saúde, visto de forma integral, o possibilitando a convivência familiar, social e preservando sua capacidade de exercer atividades como as laborativas, inserções no mercado de trabalho.

A luta antimanicomial é sobre tudo, inclusão, atenção e cuidado, básico e especializado. Luta antimanicomial é resistência a toda e qualquer forma de desumanização dos serviços, pacientes, suas necessidades e particularidades.

Sendo assim, neste momento de pandemia mais do que nunca falar de saúde mental e Luta antimanicomial se faz necessária e urgente. É uma luta constante, justamente porque há quem defenda a volta e permanência dos manicômios e esse momento é mais do que propício convidá-lo à refletir sobre o assunto e um convite para fazer parte desta luta:

 

Não aos manicômios!

Não à desumanização dos serviços!

Não ao preconceito!

Não à violação dos direitos fundamentais!

 

 

Fonte: Assessoria de imprensa